Lei do Sudão proíbe missionários de evangelizarem no país

Lei do Sudão proíbe missionários de evangelizarem no país

O Ministério de Orientação Religiosa do Sudão ameaçou prender líderes de igrejas que não interromperem suas atividades evangelísticas e não cumprirem a ondem de passar às autoridades seus nomes e contatos, disse uma fonte cristã.

A advertência foi feita depois que o presidente do Sudão Omar al-Bashir declarou que a constituição do país terá bases ainda mais profundas na Sharia. “Nós tomaremos medidas legais contra pastores que estão envolvidos em pregações ou atividades religiosas”, afirmou Omar.

“Esta é uma situação critica que a Igreja enfrenta no Sudão”, disse o pastor Yousif Matar. Outro líder cristão disse que a ordem faz parte de uma série de medidas do governo para controlar as igrejas. “Eles não querem que pastores do Sudão do Sul dirijam qualquer atividade eclesiástica ou missionária no Sudão”, confirmou ele.

A lei sudanesa proíbe missionários de evangelizarem, e a conversão do islã para qualquer outra religião é passível de punição com a prisão ou morte no país, embora anteriormente tais leis não tenham sido rigorosamente cumpridas.

A Constituição Interina do Sudão (INC) aceita a Sharia como uma fonte de legislação, e as leis e politicas do governo favorecem o islã. As lideranças cristãs dizem temer que o governo exerça controle sobre as igrejas no Sudão e planeje forçar a aplicação da lei islâmica como parte da estratégia de eliminar o cristianismo.

“Nós somos uma nação islâmica e devemos ter a Sharia como base de nossa constituição”, disse Al-Bashir a multidões em Kosti, sul de Cartum.

Pedidos de oração

– Interceda pelas lideranças cristãs do Sudão, para que tenham sabedoria para lidar com essa pressão do governo.

– Ore para que tantos os líderes como os demais cristãos perseverem na fé, diante de um governo tão hostil.

O texto acima foi retirado do site do Domingo da Igreja Perseguida (DIP) 2014, que tem como tema “Pastores e líderes africanos”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*